O passado, presente e futuro da Lua (disputada por bilionários) em debate no CCB

No próximo domingo, 19 de maio,  aventura da exploração espacial e da Lua (celebra este ano 50 anos) é o tema do evento Lua Século XXI. Além do filme O Primeiro Homem na Lua, haverá um debate com especialistas portugueses.

Os desafios colocados à criatividade e ao engenho humano transformam o inimaginável em algo possível. Pousar na Lua apresentou à espécie humana muitos desafios e o início da exploração espacial, com presença humana em terra firme além do planeta Terra.

Ao mesmo tempo, abriu novos horizontes de possibilidades e, depois de alguns anos com poucos avanços, a exploração espacial voltou à ribalta mediática e de investimento. A Lua e Marte são agora objetivos ‘patrocinados’ também por bilionários. Um deles é o CEO da Amazon, Jeff Bezos, que a semana passada anunciou que já em 2024 vai voltar a por humanos na Lua (num plano ambicioso que envolve ainda uma colónia no planeta satélite).

O outro é Elon Musk, o CEO da Tesla, cuja empresa SpaceX tem feito alguns avanços importantes na exploração espacial. Musk acredita que, com a ajuda da NASA vai conseguir ter missões tripuladas por humanos em 2024 ou 2025.

Neste contexto, a exploração espacial está numa fase entusiasmante, 50 anos depois do ser humano ter pisado pela primeira vez a Lua – o feito é celebrado a 16 de julho desde verão. Foi nesse dia de 1969 que a missão da Apollo 11 colocou os astronautas norte-americanos Neil Armstrong e Buzz Aldrin a pisar o solo lunar.

No evento Lua Século XXI, uma coprodução do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), do iNOVA Media Lab e do Centro Cultural de Belém (CCB), será possível também analisar o que temos a ganhar (e já ganhámos) com a exploração espacial.

Materiais do dia-a-dia, como os microcircuitos de computadores e telemóveis, ou diversos sistemas de cuidados de saúde, são fruto desse sonho de escapar à gravidade da Terra. Mas talvez o maior impacto tenha sido no nosso imaginário coletivo, pela imagem da Terra vista da Lua, e pela representação das viagens espaciais no cinema.

Leia também | O mais famoso ‘Nascer da Terra’ foi fotografado há 50 anos na Apollo 8

Programa

11H30 – 14H00

Exibição do filme O Primeiro Homem Na Lua (2018) de Damien Chazelle.

Legendado em português
Duração: 141 minutos
Faixa etária: M/12

15H30 – 17H00

Conversa I: O que mudou na Terra com a ida à Lua?

A façanha de levar e trazer uma missão tripulada à Lua precisou de desenvolver novas tecnologias que foram depois usadas na nossa vida na Terra. Satélites, computação, materiais como o teflon ou os dos fatos de banho, até telemóveis e computadores portáteis, provavelmente não seriam a mesma coisa hoje sem esse feito de há 50 anos.

A forma de vida moderna atual na Terra seria a mesma sem termos ido à Lua em 1969? Estão todos convidados para uma conversa onde iremos discutir as implicações desta viagem na ciência que fazemos hoje em dia e na vida que temos.

Convidados: Daniel Marinho (UBI, CIDESD), Pedro Matos Soares (IDL, FCUL), Rui Agostinho (IA, FCUL), Edson Oliveira (Neurocirurgião e especialista em medicina aeroespacial)

Moderação: Joana Lobo Antunes (Universidade Nova de Lisboa)

Leia também | Documentário sobre ida do homem à Lua tem conteúdo inédito para nos transportar no tempo

17H15 – 18H45

Conversa II: Para Além da Lua

Um berlinde azul flutuando no frio silêncio do Espaço, foi o que as imagens da Terra, vistas da Lua, obtidas pelas missões Apollo, nos deram a ver. Estas imagens foram para a Humanidade uma redescoberta do nosso planeta-casa, onde coexistem todas as culturas humanas e todas as espécies de seres vivos que conhecemos. No mesmo instante, essas imagens mostraram que é possível, com engenho e criatividade, escapar à gravidade da Terra, transportar vidas humanas no Espaço e fazê-las pousar noutro corpo celeste.

O que será que o futuro nos reserva? Tornar-nos-emos um dia uma espécie multiplanetária a viajar pelo espaço? Junte-se a nós numa conversa onde iremos explorar estas e outras questões, e como a chegada à Lua foi de facto «um salto gigante para a humanidade».

Convidados: Adriano Henriques (ITQB-NOVA), Alexandre Cabral (IA, FCUL), Pedro Machado (IA, FCUL), Rui Moura (FCUP)

Moderação: João Retrê (Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço)

Os bilhetes estão à venda no site do Centro Cultural de Belém e os perfis dos participantes estão no site do IAstro.

Jeff Bezos leva pessoas à Lua já em 2024 (e é para colonizar)


Os principais grupos de media portugueses – Cofina, Global Media, Impresa, Media Capital, Público e Renascença - criaram o Nónio para melhor conhecerem e servirem os seus clientes. A obtenção de dados primários, através de uma simples operação de registo (login), permitirá uma valorização comercial dos seus espaços digitais e uma comunicação mais próxima dos seus utilizadores. Assim, poderão prosseguir a sua aposta na informação livre e em conteúdos diversificados e de qualidade.

O Nónio é um meio para nos mantermos actuantes e competitivos num mundo dominado pelas grandes plataformas globais e pela informação não escrutinada. No meio digital, que também disputamos, queremos que a nossa presença seja distintiva. Por isso, simplificámos ao máximo o processo de adesão ao Nónio - um registo, simples e efectuado de uma só vez, permite o acesso à totalidade dos títulos das entidades cooperantes.

Um projecto com esta dimensão não está isento de percalços técnicos, minorados por um serviço de apoio on-line activo e próximo dos nossos clientes. Não descansaremos enquanto o número de falhas no registo – hoje muito diminuto e de rápida resolução – fôr de zero.

Ultrapassámos a barreira do milhão de logins e aproximamo-nos do milhão e meio. Agradecemos a confiança e a compreensão dos nossos utilizadores. Procuraremos servir-vos cada vez melhor. Aos futuros aderentes Nónio dizemos que a vossa participação será mais um contributo para a sustentabilidade dos meios de comunicação social portugueses..